Queimar por Herman Pontzer

Queimar Saúde Profissionais de saúde Herman Pontzer Estilo de vida Médico Remédio Ciências

A ciência mal compreendida do metabolismo

Queimar por Herman Pontzer

Compre livro - Burn by Herman Pontzer

Qual é o enredo do livro de queimaduras?

O documentário consume (2021) lança luz sobre a física subjacente ao metabolismo - o processo pelo qual nosso corpo queima energia. É repleto de idéias e informações memoráveis ​​e depende da pesquisa metabólica mais recente, bem como na história evolutiva do corpo humano para criar uma narrativa convincente.

Quem é quem lê o livro de queimaduras?

  • Os membros da academia estão perplexos sobre por que não estão perdendo mais peso.
  • Um potencial dietista que não tem certeza sobre qual plano alimentar de aderir
  • Naturalistas que estão interessados ​​na história da natureza

Quem é Herman Pontzer e qual é o seu fundo?

O Duke Global Health Institute abriga Herman Pontzer, professor associado de antropologia evolutiva da Universidade Duke, bem como professor de pesquisa de pesquisa global associada na Duke University School of Medicine.

O que exatamente está nele para mim? Aprenda como o corpo humano funciona em sua forma mais básica.

O corpo humano é composto por cerca de 37 trilhões de células. Cada um funciona como uma mini-fábrica, agitando todas as coisas que nos mantêm vivas, de enzimas a neurotransmissores e hormônios e tudo mais. As calorias que comemos fornecem a energia que nos permite realizar nossas tarefas. São necessários oito litros de água fria para ferver em nossos corpos todos os dias, e nossas células consomem energia suficiente para fazê -lo. Como resultado, a energia é a moeda da vida. No entanto, o metabolismo - o mecanismo que regula o uso de energia - é frequentemente incompreendido. É hora de fazer a diferença. Entre os tópicos abordados nessas notas estão o que os caçadores-coletores da Tanzânia podem nos ensinar sobre a evolução humana, como o compartilhamento de alimentos distingue os seres humanos dos macacos e por que você não pode comer nada além de barras de doces e ainda perder peso.

Você é, muito simplesmente, o que você consome.

Em 1859, o cientista francês Louis Pasteur criou um caldo revolucionário que mudou o curso da história. O que foi sobre isso que o tornou tão especial? Em primeiro lugar, Pasteur descobriu que ferver a sopa destruiu quaisquer germes que possam estar presentes no líquido. E, segundo, ele descobriu que armazená -lo em um frasco hermético impedia que os insetos e a sujeira entrassem no frasco. Esse método de duas etapas impediu a deterioração da sopa, que foi uma descoberta inovadora no momento de sua invenção. A pasteurização é o termo usado para descrever esse processo, que recebeu o nome do próprio Pasteur. O projeto não foi apenas um sucesso retumbante em termos de praticidade. Também serviu como o último prego no caixão de uma teoria que existia desde Aristóteles - a idéia de gênese espontânea.

A teoria da geração espontânea tenta explicar ocorrências, como o aparecimento de larvas na deterioração da carne em um momento inesperado. Não sabemos de onde vieram todas essas larvas. Antes do advento de microscópios fortes, era difícil fornecer uma resposta satisfatória a esse problema. Todos, desde a antiguidade até a Idade Média e até os dias modernos, disseram que surgiram do nada - isto é, que emergiram espontaneamente de coisas inanimadas, como a carne. A realidade do metabolismo foi revelada por mais de um século de estudo, e é muito mais estranho do que poderíamos imaginar quando começamos. A lição mais importante nesta carta é que você é o que você come - muito literalmente.

Hoje, sabemos que as larvas não se desenvolvem a partir de materiais inertes, como acreditava anteriormente. Dê uma olhada mais de perto em uma mosca de bagunça, por outro lado. o que exatamente isto faz? Esta pequena máquina, em sua forma mais básica, é responsável pela transformação da proteína apodrecida em moscas do bebê. Para colocar de outra maneira, ele constrói os corpos de si e de sua progênie fora da água, do ar e dos alimentos que come por sua própria iniciativa. Os seres humanos, como moscas, são máquinas de geração espontânea que geram idéias por conta própria. Cada grama de osso e litro de sangue, bem como todas as unhas, cílios e fios de cabelo, são compostos inteiramente das substâncias que consumimos em nossa dieta. Foi descoberto que a matéria inanimada pode gerar vida. O que causou essa mudança estranha? A solução é o metabolismo, que é o processo pelo qual nossos corpos queimam energia. Vamos dar um passo a passo.

O corpo humano é composto de centenas de moléculas distintas que interagem entre si. Enzimas, hormônios, neurotransmissores, DNA e uma variedade de outras substâncias se enquadram nessa categoria. No entanto, apenas uma pequena porcentagem deles é absorvida pelo corpo de uma forma utilizável por meio de nossas refeições. É necessário convertê -los antes que eles possam ser bem utilizados. Este é o resultado do trabalho das células. As células têm a responsabilidade de atrair produtos químicos úteis que fluem para a circulação através de suas membranas e converter essas moléculas em outra coisa. Tomemos, por exemplo, células ovarianas. Nesse processo, eles desenham moléculas de colesterol para o corpo, convertem -as e depois empurram o resultado final de volta à circulação como estrogênio, um hormônio que tem efeitos em todo o corpo.

É o trabalho dessas células que nos permite sobreviver. No entanto, requer uma quantidade significativa de energia. A metilação, também conhecida como metabolismo, é o forno de sustentação da vida do corpo, "queimando" nossa comida e liberando sua energia por esse motivo.

A taxa de metabolismo é uma medida do gasto energético do corpo.

As células estão ativas e precisam de energia para funcionar corretamente. Mas, mais importante, como estamos definindo esses termos? É realmente possível usar as duas idéias de forma intercambiável. O trabalho é uma palavra técnica no campo da física. Além disso, como o trabalho de parto e energia são medidos nas mesmas unidades, podemos nos referir de forma intercambiável a elas. Em outras palavras, o trabalho é energia. Quando você joga um beisebol, por exemplo, você está exercendo esforço, que é o que faz com que a bola acelere. Quando a bola deixa sua mão, a energia que você usa para jogá -la é transformada em energia cinética, que é a energia gasta pela bola enquanto viaja pelo ar. O calor é outro tipo de energia que encontramos diariamente. Como exemplo, quando você reaquece o leite no microondas, a temperatura aumenta e indica quanta energia eletromagnética o leite absorveu.

A quantidade de energia usada é sempre igual à quantidade de trabalho realizado e à quantidade de calor gerado. Como essa é uma regra básica da física, segue logicamente que também controla o corpo humano. O ponto principal para tirar essa observação é que o metabolismo é uma medida do gasto energético do corpo. Quando se trata de objetos que têm a capacidade de realizar mão -de -obra ou gerar calor, a energia pode ser armazenada. Um bom exemplo é a gasolina armazenada em um tanque de combustível. Enquanto isso, um grande pote de plantas que é perigosamente equilibrado em uma borda da janela e tem o potencial de desabar a qualquer momento possui energia cinética.

No nível molecular, as ligações que mantêm as moléculas servem como dispositivos de armazenamento de energia. Essa energia pode ser transformada em outra coisa. No entanto, ele desapareceu irremediavelmente. Durante o lançamento de um elástico esticado, as conexões moleculares se separam, liberando a energia armazenada no elástico no ambiente circundante. É uma regra natural que a energia nunca pode ser perdida, mas só pode ser transformada.

As explosões são uma ilustração magnífica desta regra em ação. Tome nitroglicerina conforme indicado. As conexões químicas deste líquido volátil são quebradas quando detonadas, resultando na liberação de energia na forma de nitrogênio, monóxido de carbono, oxigênio e água. Quanto é exatamente isso? A energia contida em um quilo de nitroglicerina, se transformada em calor, tem o potencial de destruir completamente um ser humano - que é exatamente o que as bombas fortes são capazes de fazer. No entanto, se transformado em energia cinética, ela tem a capacidade de lançar um adulto de 165 libras a mais de duas milhas e meia na atmosfera. Você pode estar se perguntando como isso se relaciona com o metabolismo.

Afinal, se a energia e o trabalho são intercambiáveis, o trabalho que nossas células fazem e a energia que eles consomem são duas medidas diferentes da mesma coisa. O termo "metabolismo" refere -se ao processo de converter alimentos em energia. Qualquer que seja a palavra que escolhemos, estamos procurando a ação mais básica do corpo. Quando incluímos velocidade na equação, podemos calcular a taxa metabólica do corpo, que é a quantidade de energia que o corpo gasta por minuto para alimentar o trabalho de suas células.

Tudo se resume a contar átomos quando se trata de rastrear o consumo de energia.

Que método você usa para calcular seu gasto de energia? Em princípio, é direto: você apenas segue o CO2. Não importa o combustível usado, seja carvão ou carboidratos, a combustão do combustível produz um subproduto: dióxido de carbono. Quando o corpo consome energia, o CO2 é liberado na atmosfera. Quando você respira, você está exalando principalmente essa substância. Assim que você descobrir quanto CO2 o corpo gera, você terá uma avaliação exata de quanta energia o corpo está usando. Para monitorar os níveis de CO2, um método é colocar uma pessoa em uma câmara metabólica, que é uma sala selada equipada com sensores que medem níveis de oxigênio e dióxido de carbono. Embora as descobertas confiáveis ​​possam ser obtidas em um ambiente controlado, o que realmente queremos saber é quanta energia os indivíduos gastam em suas atividades diárias. Entre as mensagens mais importantes incluídas nesta letra estão as seguintes: O rastreamento do consumo de energia tem tudo a ver com contar átomos.

Uma técnica discreta para monitorar a produção de CO2 em indivíduos que passam por suas vidas diárias foi desenvolvida na década de 1950 por Nathan Lifson, fisiologista da Universidade de Minnesota que trabalhou como professor assistente de biologia. A descoberta de Lifson começou com a observação de que o corpo humano, que é composto principalmente de água (65 %), é essencialmente um vasto pool de líquido. Há um influxo e uma saída de informação. Os átomos de hidrogênio e oxigênio entram no corpo através de alimentos e bebidas, e saem através da urina, fezes, transpiração e o vapor exalado pelo corpo quando estamos respirando. Os átomos de hidrogênio geralmente deixam o corpo na forma de água, enquanto os átomos de oxigênio têm um segundo método de saída. No processo de metabolizar compostos à base de carbono, o CO2 é produzido. Nesta molécula de CO2 recém -formada, o átomo de oxigênio vem da própria água do corpo. Esse átomo é posteriormente expelido para a atmosfera como CO2 em nossa respiração exalada.

Lifson descobriu que o monitoramento do ritmo no qual os átomos de hidrogênio e oxigênio deixavam o corpo permitiu que ele calcule a taxa na qual o CO2 estava sendo produzido, o que por sua vez lhe permitiu determinar quanta energia havia sido usada. É necessário fazer uma química complicada para rastrear esses átomos, mas o conceito fundamental é "rotular". Especificamente, você injeta isótopos de hidrogênio e oxigênio, que são versões mais pesadas de hidrogênio e oxigênio, no corpo para fazer isso. Depois que os isótopos deixarem o corpo, você poderá contá -los examinando amostras de urina colhidas em vários momentos. O deutério é um isótopo de hidrogênio e, se 10 % do hidrogênio no corpo de um sujeito foi deutério na segunda -feira, mas apenas 5 % foram deutério na quarta -feira, é óbvio que metade da água do corpo foi evacuada e substituída pelo H2O normal. É o mesmo que o oxigênio-18, que é um isótopo de oxigênio.

O cálculo da taxa na qual os átomos de hidrogênio e oxigênio são perdidos da atmosfera permite determinar a taxa de geração de CO2 com base nesses dados. Isso, por sua vez, serve como um indicador de quanta energia - ou, mais especificamente, quantas calorias - o corpo gastou.

Em um sentido figurativo, não somos diferentes de nossos antepassados.

O que há nos ocidentais que os torna tão gordos? De acordo com uma idéia popular, é assim. Quando os primeiros homo sapiens viviam no habitat que agora chamamos de África, o corpo humano, particularmente seu sistema metabólico, desenvolvido para poder lidar com esse ambiente. A comida era limitada, e esses caçadores-coletores tiveram que gastar enormes quantidades de energia para localizar o pouco disponível. A idéia argumenta que a industrialização, que nos forneceu automóveis, empregos no escritório e supermercados, é a culpada pela nossa atual epidemia de obesidade. Não somos tão fisicamente ativos quanto nossos antepassados ​​e antepassados, o que significa que não estamos aproveitando ao máximo nossos corpos da maneira que eles pretendiam ser utilizados. Não é surpresa que tenhamos problemas metabólicos! Embora seja uma hipótese atraente, os dados frescos indicam que estão incorretos. A lição mais importante nesta carta é que somos, de muitas maneiras, não diferentes de nossos antepassados.

Se você acredita que a epidemia de obesidade do mundo ocidental se deve ao fato de estarmos queimando menos calorias por dia do que nossos antigos antepassados, como você pode verificar ou refutar essa alegação? Embora seja fácil determinar quanta energia o típico americano ou italiano gasta diariamente, não podemos voltar no tempo para examinar os sistemas metabólicos das primeiras pessoas. No entanto, podemos fazer a próxima melhor coisa, que é olhar para o consumo de energia de indivíduos contemporâneos que vivem da mesma maneira que nós.

Tomemos, por exemplo, o povo Hadza do norte da Tanzânia, que constitui um dos poucos grupos de caçadores-coletores sobreviventes do mundo. Seu estilo de vida é extenuante no corpo. As mulheres Hadza passam a maior parte de seus dias cavando tubérculos do solo rochoso e coletando frutas selvagens da floresta. Homens, por outro lado, passam cerca de doze quilômetros através da savana assada para o sol, procurando animais e subindo árvores de 40 pés para obter mel selvagem. À noite, o povo Hadza se reúne em torno de fogueiras para apreciar os produtos de seu trabalho e contar histórias sobre suas vidas. Que tipo de energia eles consomem? Para descobrir, o autor e seus colegas enviaram amostras de urina Hadza a uma instalação especializada no Texas para análise. De acordo com a crença popular, homens e mulheres Hadza devem exercer muito mais energia do que seus sedentários colegas ocidentais para sobreviver. No entanto, o resultado não atendeu às expectativas.

Os homens de Hadza consomem e gastam cerca de 2.600 calorias por dia, enquanto as mulheres Hadza consomem e gastam aproximadamente 1.900 calorias por dia. Esse é precisamente o mesmo número de calorias que homens e mulheres queimam em média na Europa e nos Estados Unidos, respectivamente. Comparado a alguém que viaja para um emprego no escritório em Nova York ou Nápoles, um caçador de Hadza-coletor tem variações significativas no estilo de vida. No entanto, em termos de consumo de energia, eles são completamente inexistentes.

Os seres humanos têm um metabolismo restrito ou fixo.

É possível que as descobertas de Hadza sejam uma anomalia estranha? Não, de jeito nenhum. Considere as conclusões de um estudo de 2008 realizado por Amy Luke, pesquisador da Loyola University Chicago. As mulheres residentes na Nigéria rural foram comparadas às mulheres afro -americanas que vivem em Chicago usando a técnica LIFSON, que Luke usou para determinar seu consumo de energia e atividade física. Apesar de levarem vidas totalmente diferentes, foi descoberto que ambos os grupos gastam a mesma quantidade de energia diariamente. Depois, há Lara Dugas, outra estudiosa de Loyola que vale a pena mencionar. Ela comparou dados de 98 pesquisas diferentes realizadas em todo o mundo. Qual foi a conclusão dela? Indivíduos que têm estilos de vida sedentários no mundo industrializado gastam sobre a mesma quantidade de energia que as pessoas que levam vidas que são muito mais exigentes fisicamente no mundo em desenvolvimento. Acontece que as pessoas são muito semelhantes onde quer que você vá quando se trata de uso de energia.

A lição mais importante nesta nota é que os humanos têm uma taxa metabólica limitada ou definida. Como é que os Hadza passam seus dias fora de reunir, caçar e escalar árvores sem gastar mais calorias do que os urbanos ocidentais sedentários continuam sendo um mistério para nós? Provavelmente, várias variáveis ​​estão envolvidas nessa situação. Um elemento da explicação é que os indivíduos que são muito ativos, como o Hadza, alterem gradualmente seu comportamento para economizar energia. Isso pode incluir sentar em vez de ficar em pé ou dormir por um longo período de tempo. Quando participamos de muita atividade física, nossos corpos também "orçam" seu consumo de energia de uma maneira diferente.

Normalmente, a maioria das calorias que gastamos é usada para alimentar a atividade de nossas células e realizar "limpeza" celular, que inclui consertar os danos causados ​​ao nosso corpo por atividades diárias. Parece que, reduzindo a quantidade de tempo gasto nessas atividades, o corpo é capaz de liberar mais energia para outras atividades. As evidências sugerem que o exercício pode reduzir a resposta inflamatória do sistema imunológico, bem como a síntese de hormônios como o estrogênio, entre outras coisas.

Além disso, sabemos que em maiores níveis de exercício, o consumo de energia atinge um platô. Tomemos, por exemplo, a pesquisa realizada pelo autor e Amy Luke em colaboração. Eles deram o teste Lifson a 300 indivíduos e usaram rastreadores de fitness para medir seus níveis de atividade ao longo de sete dias. Como conseqüência, o que aconteceu? Todos, mesmo aqueles com a vida diária mais ativa, queimavam a mesma quantidade de calorias todos os dias que aqueles que eram moderadamente ativos. Levando em consideração todos esses dados, podemos chegar a uma conclusão intrigante: nossa espécie desenvolveu métodos para manter o consumo diário de energia sob controle. Isso tem consequências de longo alcance para a saúde do público. O fato de nosso consumo diário de energia ter sido constante ao longo da história humana significa que a obesidade não pode ser responsabilizada por nossas vidas sedentárias. Dito de outra maneira, é gulosa e não preguiçosa responsável por nossa obesidade.

Nosso passado evolutivo ajuda a explicar por que os humanos são tão propensos a ser gordos em primeiro lugar.

A história natural, de acordo com Charles Darwin, é formada pela luta por recursos no meio ambiente. A evolução das espécies ocorre sob circunstâncias de escassez, uma vez que nunca há comida suficiente para todos eles. É por esse motivo que as compensações são tão essenciais. Você não pode ter tudo porque não tem energia suficiente. No caso das características evolutivas, esses limites são prontamente aparentes. Talvez a evolução dê a uma espécie dentes nítidos, mas, ao mesmo tempo, fornece às espécies pequenos braços delicados. É assim que você obtém um esqueleto Tyrannosaurus Rex. Como Darwin o formulou na origem das espécies, "a natureza é obrigada a economizar do outro lado da moeda, a fim de gastá -la do outro lado". Há uma espécie, no entanto, que não adere a esse princípio: a nossa. Ao longo desta nota, o ponto principal é que nosso passado evolutivo ajuda a explicar por que os humanos são tão propensos a gordura.

Quando se trata de uso de energia, os humanos são indulgentes demais. Tomemos, por exemplo, as diferenças entre nós e nossos primos mais próximos, os chimpanzés. Quando você leva em consideração fatores como tamanho corporal e nível de atividade, os seres humanos comem cerca de 400 calorias a mais por dia do que os chimpanzés e os bonobos. O que vamos fazer com todas essas calorias adicionais? Afinal, apenas manter a saúde física é um esforço caro. Veja o cérebro, por exemplo. Ele consome tanta energia que a cada quarta respiração que tomamos é dedicada a fornecer a esse órgão de três libras nutrientes. Em comparação com os macacos, também nos reproduzimos com mais frequência, temos crianças maiores, vivem vidas mais longas e viajamos mais. Existem compensações a serem feitas? Claro, o sistema digestivo humano é menor e mais barato que o da maioria dos macacos, mas isso é tudo o que existe.

Biologicamente, nossos corpos evoluíram para queimar mais energia no nível celular. Isso não era nada menos que uma revolução metabólica, mas também não foi isento de desvantagens. À medida que os metabolismos de nossos antepassados ​​se tornaram mais rápidos, a probabilidade de sua rosa faminta também. Afinal, quanto mais energia você precisa operar, pior é quando o seu suprimento de alimentos é esgotado. A resposta evolutiva a essa questão tem sido uma fonte de fascínio para nós até hoje.

Manter uma máquina que consome energia como o corpo humano alimentado em um ambiente caracterizado pela escassez é o método mais direto para garantir que continue a operar. A célula adulta serve como o sistema de armazenamento de combustível primário do corpo. Isso distingue os seres humanos dos macacos também. Se você mantiver um chimpanzé em um zoológico com muita comida, ele aumentará para ser maior que seus primos selvagens, mas manterá sua aparência fina. Calorias extras levam ao desenvolvimento de músculos e órgãos maiores, em vez do acúmulo de gordura. Os seres humanos ganham peso em circunstâncias comparáveis ​​- e não é surpresa! Em reação à escassez de alimentos, os seres humanos evoluíram, mas agora vivemos em um mundo de calórica e devemos nos adaptar. Esse é o verdadeiro desalinhamento entre nossos corpos físicos e nosso ambiente social.

A revolução metabólica foi alimentada pelo ato de compartilhar.

Humanos e macacos têm várias características, incluindo o fato de serem criaturas sociáveis. Obviamente, existem várias outras características que nos distinguem. Coisas como o metabolismo vêm à mente. Qual é a razão raiz dessa divergência? E como é que o sistema metabólico humano supera o dos macacos? !! ​​A explicação simples é que as pessoas compartilham comida - enquanto os macacos não compartilham sua comida. A resposta mais detalhada é a seguinte. Apesar do fato de os macacos serem capazes de estabelecer conexões sociais complexas e até ao longo da vida, são individualistas acidentados quando se trata de consumo de alimentos.

Isso influencia a maneira como as pessoas abordam a tarefa da contagem de calorias. Como a existência deles depende disso e ninguém mais está disposto a ajudá-los, eles aproveitam as frutas baixas-literal e figurativamente falando. Faz pouco sentido colaborar com outras pessoas para caçar animais grandes ou coletar frutas suficientes por uma semana, se você não estiver disposto a compartilhar. Essa foi eventualmente o obstáculo para os macacos. Os recursos compartilhados impulsionaram a revolução metabólica, de acordo com o tema principal desta nota. Nossos antepassados ​​e ancestrais eram forrageadores que moravam em grupos. Quando estavam cheios, não pararam a busca por calorias, mas trouxeram de volta comida para o resto do grupo comer.

A responsabilidade compartilhada fornece uma rede de segurança. Não importa quanta comida você obtém de alguém, se você voltar ao seu acampamento de mãos vazias, ainda poderá alimentar a si mesmo e sua família. O comportamento humano é alterado como resultado dessa rede de segurança. Ele permite que você assuma riscos calculados, como enviar homens para caçar animais com o conhecimento de que eles falharão nove vezes em dez. As mulheres, por outro lado, estão ocupadas nas últimas horas coletando tubérculos e frutas, então há comida mais do que suficiente para todos. E quando os caras conseguirem trazer uma casa de gnus, haverá uma celebração.

Aproximadamente dois milhões e meio de um milhão de anos atrás, os homininos de Bre-Brain, que vivem na África Oriental, desenvolveram essa estrutura social, de acordo com as teorias atuais. Não sabemos muito sobre o início do compartilhamento, mas há muitas evidências no passado mais recente, o que sugere que isso foi generalizado. Por exemplo, os ossos da zebra com marcas cortadas são uma excelente ilustração. É preciso uma equipe para derrubar um animal grande e rápido como uma zebra, e a cooperação só faz sentido quando todos participam das recompensas.

A forragem social alterou o curso da história evolutiva da humanidade. Compartilhar significava que havia mais energia disponível para as importantes atividades da vida. Foi um tempo de maior sobrevivência e parto, além de aumentar o tempo gasto experimentando tecnologias primitivas. que compartilharam seus recursos superaram aqueles que não o fizeram. Após um longo período de tempo, o corpo humano como sabemos que começa a se formar. A taxa de metabolismo aumentou, resultando no desenvolvimento do equipamento que eventualmente apoiaria o órgão que consome energia que nos distingue como uma espécie-o cérebro.

Qualquer comida será suficiente desde que você queira mais calorias do que você consome para perder peso.

Vamos revisar o que aprendemos até agora. De acordo com estudos metabólicos, os urbanos contemporâneos que dirigem automóveis e sentam-se em cadeiras de escritório confortáveis ​​gastam tantas calorias quanto caçadores-coletores. Em outras palavras, é provável que o consumo diário de energia tenha sido constante durante o período paleolítico da evolução. Como disse anteriormente, sabemos que nosso gasto diário de energia é limitado, o que implica que aumentar a quantidade de atividade que fazemos tem um impacto mínimo no número de calorias que gastamos. Quais são as nossas opções à luz dessas descobertas? Eles afirmam que é hora de reconsiderar nossa abordagem para combater a obesidade infantil. Na maioria das vezes, o exercício tem pouco efeito sobre o nosso peso, mas o gerenciamento de nossas refeições tem um impacto significativo. Você pode comer qualquer coisa e ainda perder peso enquanto estiver queimando mais calorias do que está consumindo, que é o ponto principal desta letra.

O exercício regular oferece uma série de vantagens bem documentadas, variando de melhor saúde cardíaca e força do sistema imunológico a melhorar a função cerebral e a maior expectativa de vida. Também oferece o benefício adicional de suprimir a inflamação crônica, que tem sido relacionada a doenças cardiovasculares e doenças autoimunes. O exercício, por outro lado, não é uma estratégia muito útil quando se trata de controle de peso. Uma dieta ruim, como diz o velho ditado, é algo que você não pode escapar. Isso nos leva ao tópico das dietas. Dada a quantidade de hype em torno desse assunto, vamos direto ao ponto: se você quiser perder peso, precisa queimar mais calorias do que comer diariamente. Essa é apenas uma regra fundamental da física.

A boa notícia é que agora você tem total liberdade para escolher a dieta que melhor atende às suas necessidades. Considere as conclusões da pesquisa de 2005 realizada por Michael Dansinger, que agora é o diretor do programa de reversão de diabetes no Tufts Medical Center em Boston, Massachusetts. Sua equipe randomizou 160 indivíduos de Boston aleatoriamente para uma das quatro dietas populares durante um período de doze meses. Estes foram baseados em uma variedade de "filosofias" da dieta. Por exemplo, Atkins é uma dieta com pouco carboidrato, enquanto Ornish é uma dieta com pouca gordura. Os outros dois programas, observadores de peso e zona, usam uma combinação de métodos para atingir seus objetivos. Como conseqüência, o que aconteceu? Os participantes que aderiram à dieta perderam peso, independentemente de quem escolheram; Aqueles que não perderam nem um quilo.

A conclusão é que todas as dietas são eficazes, desde que estejam em conformidade com as leis da física. Mark Haub, professor de nutrição humana da Universidade Estadual de Kansas, tem algumas palavras de sabedoria. Haub estava farto da argola pseudocientífica que cercava tantas dietas, então ele criou sua própria dieta que era composta apenas de junk food. Por 10 semanas, ele não comeu nada além de doces, cereais, batatas fritas e biscoitos, com exceção da água. O mais importante a ser observado é que ele nunca ingeriu mais de 1.800 calorias em um único dia. Ele caiu 27 libras depois de dois meses e meio de trabalho duro. Agora, ninguém, mesmo Haub, está pressionando por esse tipo de dieta, pois é obviamente prejudicial à saúde. No entanto, vale a pena considerar seu argumento na próxima vez que você se deparar com alguém que está promovendo a mais nova dieta milagrosa. Mas, em geral, o conceito permanece o mesmo: se você puder queimar calorias, poderá perder quilos.

A conclusão do romance queima.

A lição mais importante dessas notas é que a existência humana depende dos bilhões de células que compõem nosso corpo. É necessária energia para o trabalho que essas células realizam, que inclui a produção de enzimas, neurotransmissores e DNA. Obtemos energia das calorias e o metabolismo é a medição de quanta energia "queimamos". É seguro dizer que nosso metabolismo permaneceu praticamente inalterado desde a era paleolítica. Todos nós queimamos aproximadamente a mesma quantidade de calorias, sejam urbanos sedentários ou caçadores-coletores enérgicos, já que todos estamos fazendo a mesma coisa. Qual é a conclusão? Se a atividade física não resultar em aumento das despesas com calorias, a obesidade deve ser resultado da gula e não da preguiça.

Compre livro - Burn by Herman Pontzer

Escrito por BrookPad Equipe baseada em Burn por Herman Pontzer

 



Postagem mais antiga Postagem mais recente


Deixe um comentário

Observe que os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados